É uma questão de tempo

Quem explica melhor essa questão é o neurocientista e escritor David Eagleman – uma pessoa genial cuja obra você deveria conhecer, aliás. O que Eagleman nos diz é que leva um tempinho até que os sinais dos nossos movimentos cheguem à massa cinzenta do nosso cérebro. Para você ter uma ideia um pouco mais concreta da coisa, pense que esses sinais viajam cerca de um metro por segundo. Para Eagleman, isso é “insanamente lento” e suficiente para explicar a afirmação de que “estamos sempre vivendo no passado”.

Em termos comparativos, de acordo com o neurocientista, podemos dizer que nosso sistema motor autônomo reage mais rapidamente aos estímulos externos do que a nossa consciência.

Para preparar sistemas de segurança modernos, os engenheiros seguem o seguinte cronograma: depois de 1 milissegundo (ms), os sensores detectam a colisão e depois de 8,5 ms, os airbags se abrem. Na marca dos 15 ms, o carro começa a absorver o impacto da colisão e os passageiros entram em contato com os airbags aos 17 ms, sendo que a força máxima da colisão acontece aos 30 ms. Sabe quando o passageiro percebe que está em um acidente? Entre os 150 e os 300 ms depois da colisão, apenas.

Um pouquinho sobre as regiões cerebrais

A verdade é que quando o cérebro está gravemente ferido, a consciência simplesmente não funciona. As principais regiões do cérebro são o córtex frontal, responsável pela atenção e a memória de curto prazo; o tálamo, que regula a consciência e nosso estado de vigília; o giro temporal, que guia nossa percepção e compreensão; e o hipocampo, que trabalha com a memória e a percepção espacial. Danos no córtex e no tálamo, por exemplo, podem nos deixar em coma.

Em contrapartida, se a região afetada é a do cerebelo, conseguimos manter nosso estado de consciência. Isso nos mostra que nem todo dano cerebral é gravíssimo e nos deixa inconscientes, ainda que, de acordo com Eagleman, todas as regiões cerebrais estejam envolvidas com a nossa formação da consciência. Em casos de traumas muito fortes, como uma pancada violenta provocada por um acidente, o cérebro entra em pane e a vítima nem percebe o que acabou de acontecer.

E quando a pessoa leva um tiro?

No caso de um tiro na cabeça, a lógica da não percepção vale ainda mais, afinal a velocidade do projétil é rápida demais, e o estrago que ele provoca é tão repentino que a vítima simplesmente não percebe o que está acontecendo. A lógica é simples e assustadora: é só você pensar que se uma batida forte na cabeça pode provocar tanto estrago, a ruptura de tecidos cerebrais é obviamente ainda mais grave.

E aí vem a parte mais bizarra: apesar da gravidade que é levar um tiro na cabeça, um terço das vítimas sobrevive – mas 50% dos sobreviventes ficam vivos por no máximo 30 dias. Quem consegue viver mesmo depois desses 30 dias geralmente passa a vida com sequelas cognitivas graves.

Para Eagleman, algumas pessoas sobrevivem justamente porque os projéteis são relativamente pequenos e viajam rápido demais – assim, quando o tiro apenas atravessa o crânio, e não o cérebro, os danos são menores.

Deixe seu comentário

comentários