7 descobertas arqueológicas mais apavorantes

35

A cada dia que passa, nosso conhecimento se enriquece cada vez mais com as descobertas que são feitas por arqueólogos. Os cientistas fazem cada descoberta que nos deixa impressionado em como era a vida no passado, e algumas delas nos mostram algumas coisas que nós usamos hoje e que já eram usadas pelos nossos antepassados. Felizmente, os arqueólogos descobrem coisas incríveis que nos contam um pouco do nosso passado, mas vocês já viram quantas coisas bizarras são descobertas?

Vários esqueletos já foram encontrados em muitos lugares, e alguns deles escondem histórias cruéis, como de assassinato, tortura, entre outras coisas. Bom, se você gosta de arqueologia, vai ficar chocado com as coisas que vamos citar nessa matéria. Então, caro leitor, confira agora a nossa matéria com as 7 descobertas arqueológicas mais apavorantes:

1 – Gladiadores decapitados

Um conjunto de esqueletos descobertos em York, Inglaterra, pertencia a homens altos, que faleceram provavelmente com 45 anos de idade. Mas o mais interessante disso tudo é que todos eles estavam decapitados e foram enterrados juntos com as cabeças. Já leu a nossa matéria com as 7 histórias reais por trás dessas bizarras descobertas feitas no oceano?

Os esqueletos datam entre o segundo e quarto séculos d.C, quando a área era parte do norte do Império Romano. Pelo fato da maioria dos esqueletos serem particularmente altos e mostrarem sinais de trauma, alguns especialistas suspeitam que essas pessoas eram gladiadores ou militares.

2 – Evidência de guerra

Há mais ou menos 10.000 anos atrás, algo terrível aconteceu onde hoje é o Quênia. Vinte e sete pessoas, entre homens, mulheres e crianças, morreram. A suas ossadas foram descobertas no ano de 2012, nos sedimentos do Lago Turkana, e mostram as marcas de armas como tacos e flechas. Especialistas dizem que o número de pessoas indica uma guerra antiga e não uma disputa doméstica violenta.

Para vocês terem uma ideia da crueldade dessa guerra, na foto podemos ver o esqueleto de uma mulher com os dois joelhos quebrados, as mãos esticadas levando a especulação de que ela teria sido torturada.

3 – Poço da morte

Um projeto imobiliário na França descobriu algo verdadeiramente chocante no ano de 2012. Um poço de 6 metros de profundidade e 5 pés de diâmetro com a borda cheia de ossos foi encontrado, e para piorar, os ossos tinham os braços e dedos cortados, tanto nos esqueletos de bebês, crianças e adultos. Foi encontrado pelo menos sete braços, e em cima dos membros amputados, sete corpos tinham sido jogados na cova, incluindo de um homem de meia idade que tinha um braço cortado e a marca de um golpe na cabeça.

A ossada data cerca de 5.335 anos atrás, e provavelmente foram vítimas de guerra, segundo os pesquisadores.  Outros afirmam que eles podem ter sido executados em uma espécie de “justiça neolítica brutal”.

4 – Tumor dentário

Arqueólogos espanhóis desenterraram o esqueleto de uma mulher de roma de 1.600 anos e ficaram surpresos quando analisaram sua pelve. Espreitando para fora entre os quadris dela estava uma bolsa de osso calcificada contendo quatro dentes malformados.

A descoberta era uma teratoma ovariano, um tipo de tumor que surge nas células germinativas. Essas células são percursores de células humanas, assim elas podem formar partes do corpo como dentes e ossos. Os teratomas mais comuns são benignos, assim como o da pelve da mulher romana. Complicações do tumor poderiam ter acabado de matar a mulher, disseram os arqueológicos.

5 – Enterro de poloneses vampiros

Entre os anos 1600 e 1700 na Polônia, algumas pessoas foram enterradas com foices sobre seus pescoços ou rochas sobre seus queixos. Essa precaução foi tomada para evitar que os mortos voltassem, como vampiros que poderiam voltar para sugar o sangue das pessoas.

No ano de 2014, os pesquisadores descobriram que os enterros de vampiros no cemitério de Drawkso, na Polônia, eram corpos de moradores que provavelmente eram vítimas de uma epidemia de cólera.

6 – Massacre da guerra civil

Dated: 29/11/2013
Janet Beveridge an Archaeologist from Durham University Archaeological services carrying out an excavation on a human burial site near Durham University’s Palace Green library.

Na tentativa de expandir a biblioteca da Universidade de Durham, no nordeste da Inglaterra, acabou virando a descoberta de dor e sofrimento do século XVII.

Os arqueólogos que escavavam antes da construção descobriram duas valas com 1.700 esqueletos que remontam a meados do século XVI. Provavelmente esses esqueletos eram restos de prisioneiros de guerra escoceses capturados durante a Terceira Guerra Civil Inglesa, uma batalha liderada por Oliver Cromwell e pelo rei Carlos II. Os esqueletos eram de homens entre 13 e 25 anos de idade, todos militares. Eles mostraram poucos sinais de trauma e provavelmente morram de doenças enquanto estavam presos.

7 – Esqueletos encalhados

Com pescoços flexionados e mandíbulas abertas, dezenas de esqueletos foram achados em uma antiga vala perto de Atenas. Suas expressões vazias não são o que tornam essa descoberta terrível, mas sim que que muitos deles usavam grilhões (uma corrente de metal, formada por anéis, em forma de cadeado).

Dos 80 esqueletos, 36 tinham os grilhões de ferro em torno de seus pulsos, e segundo os arqueólogos, eles eram prisioneiros que morreram cerca de 650 a.C. a 625 a.C.. Os registros históricos conta de um golpe antigo em 632 a.C., o que poderia explicar os corpos. Cylon, um campeão olímpico, tentou assumir Atenas, mas acabou falhando. Os corpos poderiam ser os de seus seguidores executados, mas nada foi confirmado.

E aí, caros leitores, qual dessas descobertas vocês acharam a mais bizarra? Comentem!

Deixe seu comentário

comentários